A Ponte do Guaíba

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 
Criado em Quarta, 03 Julho 2013

 

 

 

A ponte do Guaíba foi a solução para um baita problema.

 

Imagem 011

Hoje ela é um baita problema que aguarda solução. Nos anos 1950, as estradas que ligavam o resto do país à capital do Estado esbarravam no quase intransponível Delta do Jacuí para ir ao sul, e mesmo ao oeste. A ligação era feita por barcas do DAER (Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem) que saíam da Vila Assunção, levando veículos e passageiros numa viagem de 20 minutos – mais outros 40 minutos para embarque e desembarque.


Imagem 021


Em 1953, quando o movimento era de 600 veículos e mais de mil passageiros por dia, o sistema exigia alternativas. Cinco anos depois, em 28 de dezembro de 1958, foi inaugurado o complexo de quatro pontes da sonhada travessia rodoviária, que foi denominada Régis Bittencourt, em homenagem ao primeiro diretor do DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem). Em 1962, o governador Leonel Brizola mudou o nome da ponte do Guaíba para Travessia Getúlio Vargas, mas o nome não foi reconhecido pelo governo federal. 

 

Imagem 031

 

A parte mais vistosa e complexa da obra foi a construção do vão móvel, que se tornou um dos cartões-postais da cidade. Sustentado por quatro torres de 43m de altura, um trecho de 58m de extensão – que pesa 400 toneladas – pode ser elevado mecanicamente a 24m, permitindo a passagem de embarcações de médio porte.

 

Imagem 041

O que já foi tecnologia de ponta e orgulho gaúcho agora causa a inconveniente interrupção do fluxo de 40 mil veículos por dia e se revela uma grande encrenca.

 

Imagem 052

Os engenheiros alemães autores do projeto previram que poderíamos ter problemas 35 anos depois da inauguração. Como a ponte tem 53 anos e nada foi feito, aí estão eles. Estamos 18 anos atrasados. Dá para entender?

FONTE: Jornal Zero Hora, de 26 de outubro de 2011

IMAGENS:

1 José Abraham

2 Jefferson Botega 

Wednesday the 17th. Joomla Templates Free.